×

Recent Comments

    Recent Posts

    Text

    Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. In in lorem sit amet ligula feugiat vulputate vel vitae quam. Cras posuere imperdiet lorem, in aliquam urn

    FORGOT YOUR DETAILS?

    Podcast Edição Extra

    Com apresentação do monitor Léo Kenji (do curso de Rádio, TV e Internet) e reportagem do monitor Luiz Felipe Nunes (do curso de Jornalismo), você acompanha a entrevista realizada com a fonoaudióloga Leny Kyrillos, mestre e doutora em ciências dos distúrbios da comunicação pela Unifesp – Universidade Federal de São Paulo. No bate-papo, a convidada

    Leny Kyrillos dá dicas para uma ouvinte que não consegue dizer ‘não’ e que, por isso, se sente contrariada e com raiva em muitos casos. De acordo com a comentarista, é possível dizer um ‘não positivo’, que envolve três etapas: o acolhimento, a justificativa e a solução conciliadora.

    Na semana do Dia Internacional da Mulher, Leny Kyrillos fala sobre características diferenciais da liderança feminina no ambiente de trabalho. Segundo ela, as empresas buscam sensibilidade, cuidado e foco nas pessoas, ‘com as quais as mulheres conseguem lidar de forma mais assertiva’. Além disso, líderes do sexo feminino tendem a mobilizar mais seus colegas e

    Leny Kyrillos analisa o comunicado do presidente da Rússia Vladimir Putin, no qual anunciou a invasão da Ucrânia. Ela ressalta o semblante ‘absolutamente calmo e frio’ como se dissesse algo sem grande importância e não sobre ações de impacto global ainda imensurável: ‘parece haver uma separação entre o significado do que ele está dizendo e

    Com um gancho do encontro político entre os presidentes americano e russo, Leny Kyrillos trata da comunicação não verbal. Como a expressão do rosto, movimento das mãos ou a postura interferem no interlocutor. ‘Para o outro, a percepção desse sinais é muito forte porque é intuitiva’, destaca ela. Leny explica que isso faz parte do

    Leny Kyrillos explica que a ‘síndrome do impostor’ é bem mais comum entre mulheres do que entre homens. Quem sofre com o problema se sente incapaz de lidar com o trabalho e tem medo de ser ‘descoberto’, ainda que não haja fundamento para isso. De acordo com Leny, profissionais que sofrem com a síndrome podem

    ENTRE EM CONTATO

    TOP